Para um filme tão rodeado de mistério, o elenco de “Kong: A Ilha da Caveira” falou bastante coisa sobre o filme.

Foi isso que descobrimos quando Moviefone, juntamente com um pequeno grupo de repórteres, foram convidados para o set do Havaí da “Ilha da Caveira”, em Dezembro de 2015. (Embora, hoje em dia, você pode dizer que o filme do gorila gigantesco era “rodeado de mistério,” desde que nossos olhos foram expostos a um grande número de trailers e propagandas surpreendentes.)

Ainda assim, graças ao amplo acesso que foi nos permitido ao elenco e aos cineastas no set de “Kong: A Ilha da Caveira,” conseguimos reunir um bom número de detalhes reveladores sobre o espetáculo que permaneceu, até agora, fechado a sete chaves.

Num estilo de perguntas e respostas rápidas e convenientes, aqui estão 15 perguntas bem importantes que foram respondidas no set de “Kong: A Ilha da Caveira” da Warner Bros. e Legendary.

  1. Sobre o quê é o filme “Kong: A Ilha da Caveira”?

Lembra do “King Kong” de 2005 do Peter Jackson? Lembra que a única parte do filme que você realmente se lembra é o tempo que eles passaram na ilha encontrando o Kong, encontrando todo tipo de criaturas incríveis e perigosas? Lembra como você queria que eles nunca tivessem conseguido voltar à Nova York e o filme inteiro se passasse naquela ilha? Bem, eles ouviram vocês, e fizeram um filme pra vocês.

Mais especificamente, “A Ilha da Caveira” é sobre um time de cientistas, soldados, e alguns tipos de exploradores que procuram pesquisar uma ilha inexplorada no Oceano Pacífico em 1972. Cada pessoa no time está indo à ilha por diferentes motivos – alguns bem intencionados, e outros nefastos. Uma vez que chegam a ilha, entretanto, o mundo vem abaixo (obviamente, o responsável é o Kong, e ele começa a esmagar os helicópteros deles), e a missão de exploração da equipe se transforma numa de “precisamos sair dessa ilha antes que ele nos mate.” Precisa de mais informação? Assista ao trailer.

Claro o suficiente? Vamos seguir em frente.

  1. Como “A Ilha da Caveira” começa?

Enquanto estávamos no set, mostraram-nos artes conceituais incríveis, uma em que o Kong aparecia, maior que a vida (naturalmente), pairando sobre dois soldados da Segunda Guerra Mundial num precipício. Um dos produtores do filme, Alex Garcia, focou nessa imagem específica e a usou para contar a sequência de abertura do filme.

“Começamos no resultado de um combate aéreo da Segunda Guerra Mundial,” ele revelou. “Um piloto aterrissa caindo nessa ilha. Um piloto americano se arrastando e depois se levanta, vendo outra queda de avião. É o avião contra quem ele estava lutando. Um piloto japonês começa a correr até ele. Eles começam um duelo até a morte correndo pela selva. Sabe, dois inimigos mortais que vão se matar até que são interrompidos por essa força muito maior aparentemente impossível que literalmente – eles já estão no precipício aqui – planta as mãos na pedra e sobe e tudo no mundo dele – as facções em guerra, a guerra inteira, tudo aquilo – é instantaneamente anulada por esse cara. A gente sai daquela cena e corta para os anos 1970.”

Viciado? É, essa é a intenção.

  1. Quando se passa o filme?

Como previamente mencionado, o filme se passa em 1972, durante a Guerra do Vietnã, e tem uma razão bem específica e ingênua pela qual o filme se passa nessa época tumultuada. O produtor Garcia nos contou um pouco do passado da história:

“O diretor Jordan Vogt-Roberts chegou com essa ideia de colocar o filme pra se passar no começo dos anos 1970, no começo do programa Landsat,” ele revelou. “O programa Landsat é um programa real que foi formado pra começar a usar satélites para mapear a superfície da Terra. Foi a primeira vez que fizemos isso e, nesse mapeamento, eles descobrem uma previamente inexplorada ilha que é cercada de padrões de clima, sistemas de tempestada – é incrivelmente difícil chegar nela, e incrivelmente difícil até confirmar sua existência por causa das tempestades e anormalidades do clima e tudo mais.”

Parece o cenário perfeito para um filme de monstros.

  1. Onde se passa a “Ilha da Caveira”?

Bem, a resposta está no nome do filme: a “previamente inexplorada” Ilha da Caveira, que é localizada em algum lugar do Oceano Pacífico – aparentemente em algum lugar no sudeste da Ásia, mas talvez não. Como Garcia explicou, A Ilha da Caveira não é apenas inexplorada, é um mundo dentro dela mesmo – um com tipos de flora e fauna com que cientistas conseguem apenas sonhar.

“É um ecossistema inteiramente único,” ele nos contou. “Uma equipe de pessoas se juntam para ir pesquisar essa ilha. Descobriremos, ao longo do filme, que alguns deles podem ter tido mais conhecimento que os outros. Eles podem ter realmente entendido que havia algo lá, mesmo se não soubessem exatamente o quê. O filme essencialmente se torna, tematicamente, sobre a colisão entre mundo moderno e mito. A ciência agora está descreditando todos os mitos, mas e se algum mito for realmente verdade?”

Para aqueles preocupados se “A Ilha da Caveira” será repleto de longas sequências de exposições e explicações científicas, Garcia diz que você não tem com o que se preocupar: “É um filme de aventura no seu núcleo, sobre um grupo de pessoas que é confrontado com o ‘aparentemente impossível’ nessa ilha, e eles precisam sobreviver”.

  1. Por que eles vão até a “Ilha da Caveira”?

Na superfície de tudo, o time vai “pesquisar a ilha”, mas não haveria muita história pro filme se isso fosse verdade. Basicamente todos os membros do time tem um motivo diferente pra ir – alguns nobres, outros não.

Garcia comentou brevemente sobre as características das pessoas da equipe: “Esse grupo é liderado por Conrad, que é interpretado por Tom Hiddleston. Conrad é um rastreador de guerra britânico, fora da guerra, da S.A.S. (Special Air Services ou Serviços Aéreos Especiais), que foi trazido por… um tipo de operativos da Monarch, que é a organização em “Godzilla” que tem uma presença meio sombria no filme, que meio que começam a expedição. É uma expedição da Landsat oficialmente, mas John Goodman, que interpreta o cara da Monarch (Bill Randa), está meio que controlando tudo dos bastidores. Depois percebemos, obviamente, que eles sabiam muito mais do que disseram , inicialmente.”

A vencedora do Oscar, Brie Larson, também se força na viagem e, como Garcia mencionou, ela tem um motivo próprio.

“Brie Larson interpreta uma fotógrafa que meio que convence todo mundo a deixa-la ir na expedição porque ela acredita que há algo mais acontecendo,” ele revelou. “Ela acha que é alguma coisa militar, provavelmente, a guerra. Ela tem algumas noções conspiratórias disso. Ela não tem nenhuma suspeita de que é isso que acaba sendo no final, mas quando ela escuta que tem uma expedição partindo com apoio militar ela se infiltra na missão para poder conseguir uma história – e consegue a história de uma vida, obviamente.”

Esperamos que ela – e sua câmera – sobrevivam à viagem.

  1. Quanto veremos do Kong em “A Ilha da Caveira”?

Pelo que percebemos, bastante – tanto em termos de tamanho e tempo na tela.

“Diferente de Godzilla, conhecemos o Kong bem rápido no nosso filme,” o produtor Garcia conta. “Eles começam a pesquisa, estão chegando a ilha – bem rapidamente – e depois jogam esses instrumentos sísmicos de pesquisa que funcionam quase como cargas. Eles aterrissam, estrondam e criam ondas que depois são medidas, e aí eles perturbam a paz, francamente. O xerife da ilha, Kong, aparece e tem um confronto com os helicópteros.”

Essencialmente, Kong é o gorila destrutivo gigante equivalente ao seu vizinho de 80 anos gritando “Saiam da minha propriedade!”.

  1. Existem mais monstros/criaturas na ilha além do Kong?

Com certeza.

Como você provavelmente viu em trailers e propagandas, Kong não está sozinho na ilha. Enquanto víamos as artes conceituais de um grande número de criaturas (algumas bem mais perigosas que Kong), o diretor Vogt- Roberts e o produtor Garcia só falaram sobre alguns (ei, eles têm que deixar algumas surpresas), mas o que ambos enfatizaram foi a importância de cada criatura se sentindo nativa do ambiente além de simplesmente serem assustadoras ou inspiradoras.

“Se Kong é o deus dessa ilha, queríamos que cada criatura se sentisse como deuses individuais de seus domínios.” Vogt-Roberts explicou. “A Princesa Mononoke de Hayao Miyazaki foi realmente uma grande referência de uma forma que as criaturas meio que têm seus próprios domínios e encaixam dentro daquilo. Então, uma grande coisa foi meio que tentar criar criaturas que parecessem realistas e simultaneamente fossem lindas e horripilantes ao mesmo tempo.”

Em segundo plano ao da autenticidade ambiental das criaturas estava sua originalidade, como Vogt-Roberts disse: “Meu maior problema com vários filmes que assisto é que acho que já vi aquilo antes. Então realmente queríamos criar coisas, especialmente com as criaturas, que parecessem únicas para o nosso filme e que possam existir na ilha”.

Um grande exemplo do propósito de Vogt-Roberts foi entregue por Garcia, que descreveu uma sequência do filme (brevemente revelada no trailer), em que os exploradores acidentalmente incitam uma batalha com alguns dos residentes com pernas mais longas da ilha: “Eles passam por uma floresta de bambus, e estamos com eles por lá e estão conseguindo passar por ela – aí descobrimos que, na verdade, por meio de todo o bambu, existem essas aranhas gigantes cujas pernas parecem com bambus e elas estão se escondendo lá, camufladas. A equipe começa a, inadvertidamente, cortar as pernas delas, e as aranhas começam a atacar, e começa um grande tiroteio”.

  1. Então, quem o Samuel L. Jackson interpreta?

Samuel L. Jackson interpreta o Tenente Coronel Packard, que, Garcia disse, “é o coronel que lidera o esquadrão de helicópteros, que é um dos mais ilustres esquadrões da guerra. Ele nunca perdeu um homem, por isso que, quando Kong esmaga aqueles helicópteros, pra ele é devastador”.

Não demora muito até que Packard torna destruir Kong sua missão, que Jackson comparou a um personagem bem familiar.

“É bem similar a Ahab e a baleia,” Jackson explicou. “Em um certo ponto, você precisa enfrentar essa coisa que causou tanta destruição pra você e seu povo, e ele tem essa ideia de que essa coisa não é o que vai salvar a humanidade, porque é isso que todo mundo pensa. Evoluímos a um ponto em que nós somos o limite. Essa coisa não é o limite – nós somos. Se nós, no nosso infinito, na nossa tecnologia avançada, e no nosso estado mental não conseguirmos parar um macaco gigante idiota – então nossa evolução falhou.”

Resumindo, Jackson interpreta o principal antagonista (humano) do filme.

  1. Quão importante é o personagem de Tom Hiddleston?

Como mencionado acima, Hiddleston interpreta o Capitão James Conrad, um Agente da S.A.S. que treinou com as forças americanas no Camboja. Ele também é um especialista em sobrevivência e um rastreador de guerra.

Como Hiddleston disse, “ele é o cara que você envia para encontrar pessoas desaparecidas se um avião ou helicóptero caiu numa selva porque ele tem uma habilidade especial de rastreamento”.

Conrad também é um homem em busca de uma missão. Quando o personagem de Goodman aparece e oferece um emprego a Conrad, ele não consegue resistir, como Hiddleston explicou: “Bill Randa, que trabalha pra Monarch, vai encontra-lo num beco por aí, e ele diz ‘Precisamos de você nessa missão.’ Conrad diz, ‘Qual a missão?’ Randa diz, ‘Bem, você sabe, estamos mapeando uma ilha no sul do Pacífico e precisamos de alguém com habilidades de sobrevivência. Precisamos de alguém com sua habilidade.’ E ele pensa, ‘Isso parece suficientemente suspeito.’”

Dinheiro é dinheiro, então Conrad aceita. “Ele aparece ainda meio cético, e ele aceita o dinheiro e aí eles chegam na ilha e tem um macaco pré-histórico enorme na ilha,” Hiddleston continuou. “Acho que é aí que, de repente, Conrad estava meio que espiritualmente adormecido ou sonambulando. Ele acorda e, de repente, suas habilidades únicas e especiais aparecem e ele se torna indispensável ao time.”

Se você quer ver Tom Hiddleston interpretando um herói de ação, “Kong: A Ilha da Caveira” é pra você.

  1. E Brie Larson, qual o lance da personagem dela?

Brie Larson interpreta Weaver (só Weaver), uma fotojornalista com um vestígio ativista.

“Interpreto uma jornalista,” Larson nos contou. “Uma fotógrafa que acaba se unindo a esse elenco de personagens. Eu tenho meu próprio motivo pelo qual estou lá. Isso que é interessante nesse filme. É um grupo de gente que não se encaixa em lugar nenhum, em que todos vem de diferentes ângulos olhando pra mesma coisa. Então eu entro como uma pessoa no fundo, uma que só está lá pra tirar fotos. E, ao progredirmos, eu preciso colocar a mão na massa.”

Da perspectiva de Packard, personagem do Samuel L. Jackson, Weaver é uma ameaça. Se os monstros da ilha não pegarem Weaver, Packard pegará. Ou ele tentará, talvez.

“Brie, pra mim, é uma fotojornalista Jane Fonda,” disse Jackson. “Ela é meio que responsável pela imagem que irá pra cara que causa as pessoas a terem reações específicas a esses soldados, então ela não é favorável pra mim.”

  1. E o personagem do John C. Reilly?

John C. Reilly interpreta Marlow, o soldado americano visto na abertura do filme, mencionada acima (ele não queria ir pra ilha, ele está preso lá”. Ele fez amizade – o, no mínimo um relacionamento positivo – com os nativos da Ilha da Caveira, o que claramente o ajudou a sobreviver pelo tempo que ele já sobreviveu. Também como o produtor Garcia nos revelou, ele acabou ficando amigo do seu inimigo japonês, Gunpei, que, no momento que a equipe de pesquisa chega, já foi “morto por outra criatura da ilha”.

  1. Qual o papel da Monarch?

Bill Randa (John Goodman) é a força que guia dos bastidores da expedição. Os cineastas não falaram muita coisa sobre o grande papel que a Monarch interpreta no filme, e falaram menos ainda sobre como os eventos da história então relacionados a outros filmes que mencionam a Monarch.

Garcia ainda disse que os cineastas garantiram que os eventos de “A Ilha da Caveira” de forma alguma “entram em conflito ou negam diretamente” qualquer coisa em “Godzilla” de 2014, em que a Monarch tem um papel importante.

  1. Quem mais está no elenco?

“Kong: A Ilha da Caveira” tem um grande elenco: Além daqueles que já mencionamos, Hiddleston, Larson, Jackson, Goodman e Reilly, o filme também conta com Jing Tian, Toby Kebbell, John Ortiz, Corey Hawkins, Jason Mitchell, Shea Whigham e Thomas Mann, muitos deles vimos ou passeando pelo set ou gravando cenas. Ah, e também tem os monstros – mas não vimos nenhum deles.

  1. Quem morre?

Provavelmente muita gente. Os padrões loucos de clima rodeando a ilha e a natureza destrutiva dos seus habitantes não são exatamente propícios à sobrevivência.

  1. Alguém consegue sair da Ilha da Caveira?

Quem sabe? A única pista que temos é que o produtor Garcia não descartou uma sequência.

“Se conseguirmos fazer dessa ilha um lugar bem distinto e único, com certeza poderia ser revisitado mais tarde na linha do tempo.”

Para descobrir quem consegue sair da ilha (se conseguirem), “Kong: A Ilha da Caveira” chega nos cinemas no dia 10 de Março.

https://www.moviefone.com/2017/02/01/15-vital-kong-skull-island-questions-answered-on-the-set/