“Quando as coisas ficam difíceis, eu jogo muito videogame. Agora, tudo o que eu estou pensando são minhas em colheitas que eu preciso colher na minha aldeia dos Smurfs”, Brie Larson ri.

Smurfs ‘Village & The Magical Meadow é um antídoto amigável para uma incrível trajetória em Hollywood. Em 2016, Larson ganhou o oscar como melhor atriz por sua atuação em O Quarto de Jack. Desde então, ela estrelou em Kong: A Ilha da Caveira, filme de grande orçamento, foi ungida pela Marvel para seu próprio filme independente de super-heróis e dirigiu seu primeiro filme: Unicorn Store (que agora está em pós-produção).

Este fim de semana ela estréia no filme O Castelo de Vidro (nos cinemas sexta-feira dia 11), com base nas memórias mais vendidas de Jeannette Walls (subindo novamente ao pico da lista de livros mais vendidos nos EUA) sobre ser criada por um pai alcoólatra (Woody Harrelson) e a mãe artista (Naomi Watts) em uma pobreza auto-imposta.

É uma história inédita que Walls, uma jornalista de Nova York, há muito hesitou em revelar.

A família Walls viveu uma vida miserável durante sua infância, expremidos em casas abandonadas, muitas vezes sem energia ou água. Quando Walls tinha 17 anos ela se mudou para Nova York, colocando uma infância afetada no passado.

“Brie me surpreendeu”, diz Walls assistindo Larson retratando o seu eu mais novo, “alguém que se importa profundamente, mas está tentando desesperadamente não se importar. E ela apenas fixou isso com os olhos, a confusão, a dor e a força.”

Walls vive em uma fazenda rural em Virgínia agora e construiu uma casa em sua propriedade para sua mãe. Mas até hoje, “quando estou em um hotel elegante, como o Ritz, e eu vejo que alguém deixou uma bandeja de comida fora da sala, eu tenho um impulso quase físico: Oh, essa comida é boa!” ela diz. “Eu tenho que me lembrar: você pode comprar a comida que deseja, você não precisa comer os restos das outras pessoas”.

Sentada em uma suíte de hotel, alegre, ela é cuidadosa em revelar pequenos detalhes sobre seu novo show . Tentei apenas perguntar a Larson se ela estiva treinando sério. “Não posso dizer!” ela ri. Ela é silenciosa sobre a possibilidade de que seu personagem apareça nos próximo Avengers: Infinity War.

Uma coisa que Larson revelará é a reação dela ao ver Wonder Woman no cinema.

“Eu chorei, tipo, sete vezes”, diz ela. “Realmente me senti importante. Senti como se fosse algo que eu não tinha visto”.

Antes que o foco da Marvel atinja, Larson reflete sobre o que é ter encontrado sua “pessoa”: o noivo Alex Greenwald. “Eu não acho que eu poderia fazer isso sem minha pessoa”, ela diz sobre Greenwald, um músico.

“É um lugar seguro para ser inseguro”, diz ela. “Eu posso sair no mundo, posso correr riscos e posso me empurrar para o limite e, então, tenho essa base que me conhece e não importa o quão longe eu vá, eu ainda sou a mesma quando voltar. Uma coisa realmente valiosa “.

 

Fonte: USA Today